sábado, 28 de julho de 2012

Honda CBR 1000 RR chega por R$ 56,9 mil

Ela é referência entre as superesportivas, alia tecnologia, potência e alta performance. Todos esses adjetivos já seriam suficientes para transformá-la em uma das motocicletas mais admiradas em sua categoria. Mas a CBR 1000RR Fireblade evoluiu. Completando duas décadas de tradição em 2012, o modelo chega com visual reformulado, além de incorporar o que há de mais avançado em tecnologia sobre duas rodas. Importada do Japão, a CBR 1000RR Fireblade 2012 recebe nova carenagem e conjunto óptico. Suas linhas estão marcantes, melhorando ainda mais a aerodinâmica do modelo. Destaque para o painel de instrumentos com funções diferenciadas e design moderno. O excelente desempenho da motocicleta é assegurado pelo motor DOHC (Double Over Head Camshaft), que gera potência máxima de 178,1 cv. A grande novidade da versão 2012 é o novo mapeamento da injeção de combustível, que permite um melhor desempenho do motor em baixas e médias rotações. Baseado nos modelos de competição, o sistema de suspensão também recebeu modificações, visando garantir um melhor comportamento da motocicleta. A dianteira utiliza garfo telescópio invertido com curso de 120 mm, e conta com o sistema Big Piston Fork (BPF), que oferece um amortecimento mais suave sem o comprometimento da esportividade. Já a traseira é UNIT PRO-LINK, e conta com o inédito amortecedor Balance Free Rear Cushion que consiste em um sistema duplo tubular: o corpo do amortecedor e um cilindro interno. Isto resulta em um comportamento mais progressivo com melhor aderência do pneu traseiro ao asfalto e consequentemente melhor tração. Além disso, as rodas de alumínio têm novo desenho com 12 pontas, sendo mais rígidas e gerando melhor maneabilidade à motocicleta. O modelo recebe a segunda geração do amortecedor HESD (Honda Electronic Steering Damper), que oferece rigidez e estabilidade em altas velocidades e leveza em baixas. Completando o conjunto, conta com exclusivo sistema de freios ABS (Anti-Lock Brake System). Inédito em motocicletas superesportivas, a tecnologia foi desenvolvida para oferecer o máximo de eficiência e segurança, sem o comprometimento da esportividade.

 Visual esportivo e linhas compactas 

 Cada detalhe da nova CBR 1000RR Fireblade foi projetado para realçar ainda mais o potencial esportivo do modelo. Assim, os designers da Honda buscaram formas que transmitissem mais dinamismo e agressividade. Quando se trata do conjunto frontal, o modelo recebeu linhas angulosas. A traseira foi reformulada e conta com linhas compactas e esportivas. A CBR 1000RR Fireblade tem duas entradas de ar na frente, que alimentam a caixa do filtro de ar. Com isso, o ar coletado em alta velocidade pressuriza a mistura ar/combustível, aumentando a potência e melhorando o desempenho. Destaque para o painel de instrumentos, que é totalmente digital com visor de LCD. É possível fazer a leitura do hodômetro total e parcial, tacômetro com 4 opções de visualização, indicador de temperatura do motor, velocidade, contador de voltas, indicadores de reserva, direção e marcha engatada, eficiência e consumo de combustível, relógio e H.I.S.S (Honda Ignition Security System). Conta com botões de ajustes para o hodômetro e Shift Light. Além disso, o conta-giros tem quatro modos de visualização. O assento do piloto e a rabeta garantem a melhor integração do piloto com a moto, além de um visual agressivo e compacto ao modelo. Isso deixa a motocicleta ainda mais esportiva. Seguindo a tendência derivada da MotoGP, seu escapamento privilegia a centralização de massas. Com um desenho mais curto, sua configuração é do tipo 4 x 2 x 1, todo em aço inox. Uma das características marcantes da linha 2012 é o conjunto óptico com novo desenho. Mais modernos e diferenciados, os faróis alto e baixo possuem refletores multifocais e lente de policarbonato. As lâmpadas são de 55/55W. Compondo o conjunto, as luzes espias mais os indicadores de direção em LEDs (Light Emitter Diode) estão integrados ao espelho retrovisor, garantindo melhor aerodinâmica, além de visibilidade e segurança ao motociclista. Já a lanterna traseira é compacta e possui uma dupla fileira de luzes em LED, permitindo uma distribuição adequada do brilho da luz emitida, resultando em perfeita sinalização e visualização em diferentes situações, tais como neblina, direção noturna ou mesmo durante o dia. Suas dimensões também foram alteradas, visando maior estabilidade e dirigibilidade. A relação entre comprimento x largura x altura é de 2.075 mm x 685 mm x 1.135 mm. A distância entre-eixos é de 1.410 mm, e a altura do assento é de 820 mm.

 Potência derivada dos modelos da MotoGP

 Os amantes de modelos superesportivos e alto desempenho admiram o conjunto mecânico da CBR 1000RR Fireblade e não poderia ser diferente. Tudo porque o modelo é equipado com motor de 4 cilindros em linha, 999,8 cm3, DOHC (Double Over Head Camshaft), 16 válvulas, arrefecido à líquido, e alimentado por injeção eletrônica PGM-DSFI (Programmed Dual Sequential Fuel Injection). Com isso, gera potência máxima de 178,1 cv a 12.000 rpm, e torque de 11,4 kgf.m a 8.500 rpm. Para contribuir com a eficiência do motor, além de reduzir o peso total da motocicleta, o modelo conta com bloco de cilindros separados – quatro em linha. Além disso, os pistões são leves e com 76 mm. O modelo recebeu um dos mais avançados sistemas de injeção de combustível desenvolvido pela Honda: o PGM-DSFI. O recurso oferece com precisão a quantidade de combustível que compõe a mistura. Para a versão 2012, a configuração foi reformulada, com uma pequena abertura da válvula. A modificação resulta em melhor desempenho, melhores respostas em baixa e média rotação. O escapamento recebe sensor de oxigênio HECS-3 (Honda Evolutional Catalysing System), que otimiza a mistura ar/combustível a fim de reduzir e emissão de poluentes e aumentar a eficiência do catalisador. Há ainda o controle de velocidade de saída dos gases por meio de duas válvulas: uma mecânica, que atua com o aumento de pressão no interior do escapamento e outra, eletro-mecânica, controlada pelo módulo ECM, que otimiza o potencial do motor em todas as faixas de rotação. Com isso, a motocicleta atende às normas de emissão Euro 3, similar ao PROMOT (Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares).

 Ciclística mais moderna 

 Do tipo Diamond Frame, o chassi tem forma de U e funciona como elemento de ancoragem da balança traseira. Além disso, a coluna de direção é fundida em duas seções e dá sustentação ao motor. Este conjunto ajuda na centralização de massas e contribui para a estabilidade do modelo. Quando o assunto é o conjunto de suspensões da CBR 1000RR Fireblade, a Honda trouxe o que há de mais diferenciado e tecnológico sobre duas rodas. Com isso, o motociclista poderá desfrutar de uma pilotagem mais suave, além de aumentar a aderência e a tração da motocicleta. A parte dianteira recebe garfo telescópio invertido (upside down), com curso de 110 mm, e sistema Big Piston Fork (BPF). Os amortecedores BPF tem uma estrutura interna diferente dos garfos convencionais e oferecem um amortecimento mais suave, melhorando o contato do pneu com o solo. Dessa maneira, garante a estabilidade em curvas. Já a parte traseira é do tipo UNIT PRO-LINK, com sistema HMAS (Honda Multi Action System) e reservatório de gás. Isso permite múltiplas regulagens na velocidade de compreensão e retorno do amortecedor da tensão da mola. A grande novidade é o Balance Free Rear Cushion. O amortecedor conta com dois tubos internos, ao invés de apenas um. Além de um funcionamento melhor, o novo sistema permite ajustar a compressão e retorno com mais precisão. O curso é de 138 mm. O modelo ainda recebe a segunda geração do amortecedor HESD (Honda Eletronic Steering Damper), que utiliza sensores de velocidade e aceleração, anulando eventuais oscilações do guidão percebidas nas rápidas acelerações. Essa tecnologia também proporciona fácil maneabilidade em baixa velocidade.

 Pilotagem mais segura 

 A CBR 1000RR Fireblade é equipada com freio dianteiro de disco duplo com acionamento hidráulico de quatro pistões, cáliper de encaixe radial e diâmetro de 320 mm. Já o freio traseiro é a disco com acionamento por pistão simples, com 220 mm de diâmetro. Desde 2009 o modelo também é apresentando na versão com exclusivos freios ABS para superesportivas. O sistema eletrônico minimiza a possibilidade de travamento das rodas, oferecendo total segurança mesmo em situações de frenagem mais bruscas, tanto em retas quanto em curvas, sem comprometer o comportamento esportivo da motocicleta. A tecnologia possibilita manter o controle e a estabilidade do modelo, evitando o mergulho da suspensão dianteira, com consequente perda da estabilidade, e o levantamento da roda traseira em frenagens mais fortes. Além disso, o sistema ABS da motocicleta é controlado por módulo eletrônico, que combina de maneira muito mais precisa a pressão de atuação dos fluidos nas pastilhas de freio. Dessa maneira, garante-se uma maior estabilidade e a manutenção de uma pilotagem altamente esportiva. Destaque também para as novas rodas de liga-leve de alumínio de 12 pontas, em vez de apenas 3 do modelo anterior. Mais rígida, a nova configuração permite beneficiar a pilotagem em conjunto com as novas suspensões. Seus pneus radiais de perfil superesportivo recebem na dianteira configuração de 120/70ZR 17 M/C, e na traseira 190/50ZR 17M/C, assegurando excelente aderência e dirigibilidade. Apresenta ainda sistema de embreagem deslizante, que otimiza a transferência de potência às rodas em qualquer situação de uso, garantindo alta performance. O exclusivo sistema da Honda é formando por um par de veios rebaixados que rapidamente forçam o conjunto da embreagem a se acoplarem de maneira rápida e firme. Com isso, disponibiliza potência imediatamente e reduz a quantidade de força de pressão da mola e o tempo de desengrenamento. Comandado por cabos, o mecanismo permite uma pilotagem rápida e eficaz nas pistas, bem como uma condução confortável e intensa em estradas. Finalizando o pacote de segurança, o modelo conta com o sistema de proteção H.I.S.S (Honda Ignition Security System), que evita furto. A tecnologia é considerada um diferencial da marca, pois somente a chave original tem a capacidade de acionar o motor, devido à identificação por chip eletrônico. Com isso, proporciona maior segurança ao estacionar o veículo em locais públicos. Disponível nas cores vermelha (STD e ABS), preta e branca (apenas STD), a CBR 1000RR Fireblade 2012 está nas concessionárias a partir de julho. Seu preço público sugerido é de R$ 56.900,00, para a versão Standard, e R$ 62.900,00, com freios ABS. Os valores têm como base o estado de São Paulo, e não incluem despesas com frete e seguro. A garantia é de um ano sem limite de quilometragem. 

Duas décadas de muita história 

 Desde a chegada da primeira moto esportiva, a CB 750, muita coisa mudou ao longo de mais de 40 anos. A rigidez do chassi, o desempenho do motor de quatro cilindros e a suspensão sofisticada evoluíram cada vez mais. Com o tempo, a Honda começou a investir em modelos tecnológicos e diferenciados. Reduziu o volume e o peso da moto, visando alcançar mais velocidade. Quando foi apresentada em 1991 como CBR 900RR, a Honda viu que o modelo poderia revolucionar o segmento de superesportivas e atrair os consumidores. A aposta estava certa. A marca construiu uma motocicleta com grande desempenho nas curvas e excelente resposta. Com isso, o lançamento da CBR 900RR Fireblade mudou o mundo das motos esportivas nos anos 90. Durante todo o processo evolutivo do modelo, o público pode conferir que o motor passou de 893 cm3 para 954 cm3 ao longo das gerações. Outro ponto que influenciou significativamente nas mudanças da linha CBR foi o Campeonato Mundial de Motociclismo, que agregou motores a quatro tempos de 990 cc em 2002. Já o ano de 2004 foi marcado por um modelo totalmente novo e com tecnologia de alto nível. O público pode conferir a chegada da CBR 1000RR Fireblade. A motocicleta não manteve nada da versão anterior. Com um conceito totalmente diferenciado, sua mecânica foi inspirada nos modelos de competições e deixando o DNA da linha RR ainda mais evidente. O motor totalmente novo de 998 cm3 ofereceu desempenho, por ser uma unidade mais leve e compacta e tinha como principal objetivo: a centralização das massas. Com essa nova configuração, aumentou a estabilidade da moto. Destaque também para a suspensão traseira UNIT PRO-LINK, garantindo ótima aderência em estrada. Além disso, recebeu um sistema de escape central superior, com seu silenciador debaixo do assento, otimizando a distribuição do peso da moto. A carenagem minimalista reduziu a resistência aerodinâmica para dar mais estabilidade em alta velocidade. Era equipada ainda com a primeira geração do Honda Eletronic Steering Damper (HESD), o amortecedor eletrônico da marca, que aliou a condução segura em alta velocidade com a progressiva e receptiva direção em baixa velocidade. Em 2008 surgiu a CBR 1000RR reformulada. Mais compacta, moderna e sofisticada que sua antecessora, a moto seguiu o mesmo projeto de centralização das massas. O resultado foi uma moto com motor de 999,8 cm3, além de estrear uma nova e importante tecnologia: a embreagem deslizante assistida, permitindo aumentar a estabilidade e o prazer do motociclista. Na linha 2009 agregou ainda o sistema de freios ABS, à época inédito para modelos superesportivos. Agora, após 20 anos do seu lançamento da primeira RR, a Honda mais uma vez desenvolve um amplo conceito e cria a nova CBR 1000RR Fireblade para perpetuar a linha e fazer história.

 20 anos de evolução tecnológica 

 - 1992-1995: A primeira CBR 900RR Fireblade combinou potência de um motor de 893 cm3, com um chassi mais sofisticado, leve e de ciclística agressiva.

 - 1996-1999: Chega o mercado a CBR 900RR Fireblade, que marca uma evolução no segmento. Era equipada com motor de 919 cm3 (1 mm de diâmetro mais largo que a versão anterior), contava ainda com um chassi sofisticado para oferecer bom desempenho.

 - 2000-2001: A CBR 900RR Fireblade foi a primeira a utilizar tecnologia de injeção eletrônica de combustível PGM-FI. Optou também por um motor de 929 cm3 e um chassi completamente novo. Isso proporcionou a montagem de um braço oscilante na traseira da caixa do motor, deixando o conjunto mais leve e compacto.

 - 2002-2003: A CBR 900RR Fireblade recebe motor de 954 cm3. Muito mais leve e potente, a motocicleta apresentou um chassi mais rígido, pedaleiras elevadas e configurações mais aerodinâmicas. O resultado foi um desempenho surpreendente em estradas e circuitos.

 -2004-2005: Inspirada no modelo RC 211V Honda do Campeonato Mundial de Motociclismo, a CBR 1000RR proporcionou uma série de novas tecnologias. As características principais incluíram um poderoso motor de 998 cm3, amortecedor de direção eletrônico HESD de primeira geração e uma configuração de suspensão traseira UNIT PRO-LINK.

 -2006-2007: Mais leve e potente, a nova geração da CBR 1000RR ilustrou o que há de mais moderno em um modelo superesportivo. Com novas configurações da suspensão e um novo sistema de escape. 

-2008-2011: Com um design inovador em um quadro mais leve e um motor potente, a nova versão do modelo recebeu motor 999,8 cm3, seguindo o conceito de centralização das massas. Contou com sistema de embreagem deslizante assistida para melhorar a estabilidade em condições de frenagem severa. Ganhou ainda a versão com freios ABS, inédito em um modelo superesportivo.

 -2012: O modelo chega ainda mais tecnológico, com novas configurações nas suspensões, além de um design diferenciado e ciclística leve.

 Veja algumas fotos da nova Honda CBR 1000 RR Fireblade 2012: