sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Museu e Arquivo Técnico da Ducati vira Patrimônio Cultural Italiano


O ministério do Patrimônio Cultural e Eventos italiano, através de sua seção regional Emilia Romana, oficializou o Arquivo Técnico e o Museu da Ducati como Patrimônio Histórico. Rico em documentação técnica e unidades muito bem preservadas tanto de motores como de motocicletas, além de um completo registro da empresa, o museu é também parte importante da história industrial italiana de 1946 até hoje, quando a Ducati começou a produção de motores a combustão e motocicletas. O reconhecimento oficial reforça a sua condição de marca icônica italiana.
Os visitantes do Museu Ducati acompanham os principais momentos da longa história da empresa, percebendo que a Ducati sempre teve uma paixão pela inovação, filosofia que ainda hoje norteia a companhia. A história vai desde o início em 4 de julho de 1926 pelos irmãos Adriano, Bruno e Cavalieri Marcello Ducati e seu humilde início como produtores de componentes de rádio, para o estabelecimento da atual fábrica em Borgo Panigale. Que foi construída no início da Segunda Guerra Mundial e destruída durante um bombardeio aéreo em 12 de outubro de 1944.
Mas os irmãos Ducati nunca desistiram. E depois de reconstruída, a fábica entrou finalmente na era da produção de motocicletas. E já em 1946 começou a produzir o Cucciolo, um motor auxiliar para bicicletas, que foi um sucesso de produção em massa, em uma Itália pós-guerra desesperada para o transporte acessível.
Ao lado dos irmãos, a história da empresa se passa também com Giuseppe Montano, que entre 1952 e 1968 orquestrou a ação da Ducati nas corridas de moto, com a raça vencedora das soluções técnicas mais tarde usadas nos modelos de produção. Como é até hoje. E ao trabalho de Giuseppe Montano se somou o do lendário engenheiro Fabio Taglioni. A história da Ducati foi moldada pela carreira deste notável engenheiro, de inovadores projetos. Entre suas tantas obras primas estão o sistema Desmodrômico de comando de válvulas e a configuração do motor L-twin, o bicilíndrico a 90º.
Em 1954 o mundo viu a chegada da Sport Ducati Gran 100, conhecida como a Marianna. Vieram também eventos como o A Volta da Itália e outras corridas de longa distância como a Milão-Taranto. E então em 1956 a primeira vitória internacional da Ducati, na Suécia, com a 125 Gran Prix Desmo. E no início dos anos 1960 vieram motocicletas de rua e estrada, como a Ducati 175 e Scrambler, um enorme sucesso no mercado norte-americano.
Em 1972 a Ducati venceu as 200 Milhas de Imola com a Desmo 750, um marco que introduziu a produção comercial da linha 750 Super Sport, mais tarde seguida pela Super Sport 900, uma versão de corrida da que foi montada para a vitória no Tourist Trophy em 1978, pilotada por ninguém menos que Mike Hailwood, um dos maiores campeões mundiais de moto – e depois de carro.
O modelo Pantah 500 de 1979 e a chegada de Claudio e Gianfranco Castiglioni – os donos da Cagiva, que assumiu a empresa – pavimentaram o caminho para a nova era das Superbike e da família Monster, de modelos em linha até hoje.
Em 1996, a Ducati foi comprada pela Texas Pacific Group e, mais tarde era operada na bolsa de valores como a Ducati Motor Holding. Hoje, a Ducati é de propriedade da família Bonomi e seu patrimônio histórico e cultural é cultuado em nome das pessoas dedicatas a este fabricante único, que continua a produzir modelos icônicos e cada vez mais especiais de motocicletas.
Na atualidade, enquanto a versátil Multistrada 1200, a Diavel revolucionária e a futurista Ducati 1199 Panigale são exemplos de Ducatis que vão garantir o sucesso mundial, a sua história agora garantida oficialmente como patrimônio italiano são autenticadas.
Sobre a Ducati
Fundada em 1926, a Ducati vem fabricando motocicletas de inspiração esportiva desde 1946. Elas são caracterizadas pela performance dos seus motores desmodrômicos, pelo design inovador e tecnologia original e de vanguarda. Abrangendo diversos segmentos de mercado, a gama de motocicletas da Ducati é dividida em famílias de modelos, que incluem: Diavel, Hypermotard, Monster, Multistrada, Streetfighter e Superbike.
Estes autênticos ícones do “made in Italy” são vendidos em mais de 80 países ao redor do mundo, com concentração no mercado europeu, norte-americano, mercados da Ásia/Pacífico, e agora no Brasil. A marca compete tanto na Superbike World Championship com uma equipe oficial, como no Campeonato Mundial de MotoGP. Na Superbike, ela tem mais vitórias e títulos que todas as outras marcas juntas. São 14 títulos mundiais de pilotos, 17 de construtores e mais de 300 vitórias. Na Moto GP tem também os títulos de pilotos e construtores em 2007.