quarta-feira, 2 de novembro de 2011

SEGURANÇA




Ir para a estrada é um prazer inigualável. Parece que as motos foram feitas apenas para isso. Novamente existem regras básicas que ajudam você a ir e voltar em segurança.

* Mesmo não conhecendo nada de mecânica, convém levar as ferramentas básicas da sua moto sempre, além de velas, câmaras de ar e cabo de acelerador. Mesmo não sabendo trocar, é sempre mais fácil encontrar alguém que saiba, tendo o material em mãos.

* Faça o seu roteiro, observando as paradas, as cidades, os abastecimentos... Viajar no estilo "easy rider" é do tempo em que a gasolina era barata. O ideal é marcar as paradas para pernoite no mapa, segundo a sua capacidade e a da moto.

* Evite pilotar mais de 150 Km direto. Cansa muito e logo você estará o "bagaço". O
bom é fazer paradas de 100 em 100 para descansar uns dez minutos (caminhar, esticar as pernas, ir ao banheiro, etc). De 200 em 200, um abastecimento (dependendo da autonomia da sua moto). Em cada parada de abastecimento você descansa um pouco mais. 20 a 30 minutos.

* Evite almoçar pesado. Geralmente os almoços tiram muito tempo da sua viagem, além de que quando você esta de barriga cheia, fica com sono e perde os reflexos. O ideal é fazer um lanche leve no horário do almoço, com frutas de rápida assimilação pelo organismo, líquidos e energéticos (chocolates, barras de cereal). Deixe para comer de verdade quando você parar para o pernoite.

* Apesar do calor, não abra mão do casaco de couro, calças jeans ou couro e botas, etc. As luvas são importantes para proteção e evitam que depois de um dia inteiro de viagem no sol, você descubra que ganhou um par de mãos vermelhas na extremidade de braços brancos.

* O casaco de couro não protege muito do frio. Em caso de frio intenso, usar uma roupa quente por baixo. Numa emergência, jornal por dentro da jaqueta, luvas e botas faz milagres.

* À noite procure usar algo colorido por cima do casaco, adesivos reflexivos no capacete também ajudam. Lembre-se que você tem que ser visto de longe.

* Não beba nada alcoólico. Alguns dizem que pilotam melhor sob o efeito do álcool. É o que eles pensam, o que o álcool faz é deixá-los sem medo, prontos para cometerem alguma besteira por excesso de ousadia, ou por falta de coordenação. O álcool diminui a performance de um piloto.

* Evite pilotar após as 18:00 horas. Além de você perder a visão das paisagens da estrada, é o horário que lhe cansa mais rápido. Neste horário é bom parar para jantar, dormir, tomar uma cerveja e descansar... (não vai mais pilotar, pode beber moderadamente)

* Rode dentro da velocidade estipulada pelas leis de trânsito. Piadinha! Aliás as leis
de trânsito, em se tratando de motocicleta, são uma grande piada de mau gosto. Pilote numa velocidade que você se sinta seguro, sempre deixando margem de potência para uma acelerada emergencial. É claro que você vai respeitar os limites de zonas urbanas, é uma questão de bom senso.

* Reduza a velocidade próximo a postos de combustível. Além da possibilidade de ter um carro com motorista distraído saindo do posto, sempre pode ter pela pista um pouco de óleo diesel espalhado (oriundo dos drenos dos caminhões).

* Em regiões serranas, é comum terminar uma curva e encontrar uma árvore caída na pista, ou uma queda de barranco. Todo cuidado é pouco. Mais um bom motivo para você não pilotar à noite.


Pilotagem em condições adversas:
Conhecer as técnicas de pilotagem segura e empregá-las no momento certo pode fazer a diferença na hora de enfrentar uma forte chuva ou mesmo durante a noite. É imprescindível que o motociclista saiba como reagir diante de situações de trânsito que não dependem dele, como por exemplo, condições desfavoráveis da pista ou do clima. Para isso, conhecer as técnicas, ter precisão nos movimentos, cautela e concentração são fatores importantes para que ele pilote com segurança durante a noite ou em terrenos irregulares.

Ao pilotar sob chuva, por exemplo, o motociclista deve ter consciência que o atrito do pneu com o solo diminui pela metade. Isso significa que o espaço necessário para parar duplica, sendo aconselhável reduzir a velocidade e aumentar a distância de segurança em relação a outros veículos. Ainda de acordo com os instrutores do CETH, é essencial redobrar os cuidados no início da chuva, momento em que a pista fica mais lisa em razão da poeira e do óleo que formam uma película escorregadia. Uma outra dica é aguardar, se possível, o tempo necessário para que a chuva “lave” a pista, melhorando assim as condições de atrito entre o pneu e o solo.

Pilotagem noturna: Pilotar à noite exige atenção redobrada, não só pela visão reduzida (cerca de 1/6 em comparação com a visualização durante o dia), mas também pela alteração na noção de profundidade e pelo ofuscamento causado pelos faróis de outros veículos. Para passar por mais essa situação de forma segura, as primeiras providências a serem tomadas são reduzir a velocidade e ser o primeiro a utilizar a luz baixa, pois, em geral, o veículo no sentido contrário fará o mesmo. Outra dica é semicerrar os olhos para adaptar a visão mais rapidamente à falta de luz que segue o ofuscamento ou não olhar diretamente para os faróis dos veículos que vêm na pista oposta.

Terrenos com ondulações e buracos: Para enfrentar ondulações ou superfícies irregulares e evitar um possível choque, o motociclista deve levantar-se sobre as pedaleiras, já que os pés e as mãos do piloto são as únicas áreas de seu corpo em contato com a moto, segurar firme no guidão, ficar com os joelhos relaxados junto ao tanque e manter pulsos e braços prontos para receber o choque. Em caso de terrenos com buracos, por exemplo, o motociclista também deve contar com a grande maneabilidade da motocicleta, característica importante e que favorece a mudança rápida da trajetória, auxiliando na segurança do piloto.

Derrapagens: Ao passar por esse tipo de situação, o motociclista deve reagir com rapidez e de forma adequada, mantendo as rodas girando e a aceleração constante. Como último recurso, caso a velocidade esteja baixa ao derrapar, o motociclista pode utilizar o pé como apoio para endireitar a moto. Entretanto, segundo os instrutores do CETH, a melhor maneira de controlar uma derrapagem é evitá-la, reduzindo a velocidade ao passar por um local desconhecido.

► Pilotagem de motocicletas no trânsito urbano:
Para garantir a tranqüilidade e a segurança, assim como o motorista, o motociclista também deve ter sempre a atenção voltada à condução. É imprescindível que o motociclista saiba como reagir diante das mais diversas e inesperadas situações no trânsito urbano. Conhecer as técnicas, ter precisão nos movimentos, cautela e concentração são fatores importantes para a pilotagem com segurança.
Além de usar o vestuário correto e com cores claras, com a finalidade de manter-se sempre visível, o motociclista deve evitar permanecer nos chamados pontos cegos (ou ângulo morto), que são os locais onde o motorista não consegue enxergar a motocicleta, mesmo com a ajuda do espelho retrovisor.
Sempre sinalize a manobra que vai ser realizada, pois isso permite que os motoristas e outros motociclistas antecipem uma reação para evitar acidentes. As manobras devem ser feitas da forma mais segura possível. Verifique com atenção o pavimento à sua frente, assim é possível observar o caminho e ter mais tempo hábil para tomar decisões.
A capacidade de decisão também é fundamental para uma condução segura, já que no trânsito enfrenta-se situações diferentes a cada instante e é preciso estar preparado para elas. Numa ultrapassagem por exemplo, ao decidir fazer a manobra, ela deve ser executada com firmeza e rapidez, nos limites de velocidade. Já em cruzamentos, deve-se diminuir a velocidade e redobrar a atenção, mesmo se estiver na preferencial, para que tenha tempo hábil para a tomada de decisões seguras.
Nunca exceda as suas habilidades ou a capacidade de sua motocicleta, pois isso pode aumentar as chances de imprevistos. É importante manter uma velocidade condizente com o percurso e o pavimento e usar a técnica de condução adequada com o local, o momento e as condições do trânsito.