quarta-feira, 2 de novembro de 2011

COMO VIAJAR EM GRUPO - São textos de autores diferentes.






1º TEXTO

Se existe uma vantagem da moto em relação aos carros é a possibilidade de viajar em grupo, mas antes de sair na estrada veja alguns cuidados essenciais. A primeira atitude é lembrar que em uma turma existem diferenças fundamentais entre as pessoas, mesmo que tenham interesses comuns. É preciso respeitar estas diferenças na hora de sair em grupo e lembrar da regra número 1: o da frente é responsável pelo de trás! Isso significa que o motociclista que vai à frente deve manter vigília daquele que está atrás. Se o colega desaparecer do retrovisor é hora de reduzir e esperar, assim toda a turma se mantém unida.

A ordem do posicionamento deve obedecer a um critério puramente técnico, mas, de preferência, o mais experiente deve "puxar" a turma. Note que é o mais experiente, não o mais veloz. Se o colega da frente começar a correr, os de trás podem passar do limite de pilotagem e sofrer um acidente. Por isso que o motociclista de trás é quem dita o ritmo. O posicionamento deve respeitar uma distância segura tanto da moto que vai à frente, quanto à que vai ao lado. O melhor é seguir uma orientação alternada.

Evite fila indiana, porque o motociclista da frente encobre a visão de quem vem atrás, e não anda lado a lado porque se precisar desviar de um obstáculo não haverá espaço para a manobra. Não existe uma matemática, nem regra métrica para definir este distanciamento, mas é só não ficar colado que tudo bem.

Combine alguns sinais com os colegas para determinar avisos como "reduzir a velocidade", "parar para abastecimento", "polícia ou radar à frente", "piso escorregadio", "animal na pista", etc. O simples levantar de braço já deve manter os outros motociclistas de sobreaviso.

Da mesma forma que devemos respeitar as diferenças de experiência entre cada integrante do grupo, também temos de levar em conta a resistência individual e combinar paradas para descanso em intervalos de, no mínimo, uma hora. Lembre-se que a turma da garupa também se cansa e, pela posição mais dobrada das pernas, pode sofrer câimbras com mais facilidade. A cada parada aproveite para fazer um pequeno alongamento de braços, pescoço e pernas, além de um providencial xixi. Não é saudável viajar com a bexiga cheia por causa da vibração excessiva das motos.

Os policiais adoram parar grupos de motociclistas para nos infernizar a vida. Por isso, não sacaneie seus colegas e confira se os documentos da moto estão em ordem antes de pegar a estrada. Da mesma forma, faça uma pequena vistoria para ver se a moto está em ordem. Imagina se justamente você estragar o fim de semana da galera.


2º TEXTO

• Para viajar em grupo a melhor opção de formação na estrada é a clássica (não fila indiana), ou seja, quando a moto da frente estiver do lado direito você automaticamente deverá ficar no lado oposto e vice-versa. Essa atitude deverá vir sempre do capitão da estrada e o seu primeiro seguidor (2ª da fila). Nunca mude dessa posição, evitando o zig-zag (trança) para os demais seguidores.

• Recomendado para viagens: Luvas inteiras (abolir as meio dedos), jaquetas e calças sempre em couro, mesmo com sol e calor. Evite andar com pulseiras, braceletes, e anéis cortantes ou perfurantes, pois em uma queda eles podem te ferir mais que o tombo.

• O grupo deverá antes de sair nomear o capitão de estrada, o ferrolho, ajudante do ferrolho e combinar o caminho que se fará, paradas para abastecimentos, etc.

• Na viagem em grupo, mantenha uma distância segura da moto da frente, nunca se distancie demais das motos da frente, lembre-se que o capitão de estrada tem que ter a visão de todos pelos retrovisores.

• Nas ultrapassagens, o capitão de estrada vai determinar qual a melhor hora ou se o movimento e a estrada forem críticas, assim todos seguirão da mesma forma, mas com segurança. Quando o capitão de estrada sair para ultrapassar, não significa que todos têm que fazê-la naquele momento, aguarde, ultrapasse com segurança e reúna-se ao grupo novamente.

• Usem sempre os retrovisores! Nunca deixe um carro colar na traseira da moto, mesmo que todos da sua frente estejam na mesma faixa de estrada, assim se você abrir para o carro passar todos irão fazer o mesmo com segurança. Não somos os donos das estradas, mas alguns motoristas pensam que são e podem acabar com a nossa viagem!

• Em viagem, se você não é o líder e nem os ferrolhos, você poderá e deve ultrapassar aquele que não está conseguindo acompanhar o ritmo imposto, deixe-o aos cuidados do ferrolho, ele saberá como conduzir a situação.

• Sinais: Use sempre sinais para indicar alguma coisa quando em movimento com sua moto, não adianta ficar ao lado de um companheiro gritando, pois ele não vai entender nada. O sinal que todos acostumaram a ver é a do braço erguido indicando que... O que? Nada, se não for organizado e combinado, então vejamos;

O braço erguido e com a seta ligada, indica que o grupo vai tomar outra direção, ou virar para o lado em que a seta está ligada.
Não fique constantemente com o braço erguido, esse sinal é apenas um alerta e você deverá abaixar seu braço assim que o seu seguidor te veja e estiver levantando o dele.

Braço erguido constantemente sem a seta estar ligada: Significa que na estrada tem algum problema, levante o seu braço também e fique atento, diminua a velocidade, prevendo uma possível parada no meio da estrada. Se parar no meio da estrada for necessário, nunca o faça de noite e saia sempre para o acostamento.

Problemas com combustível: Se o capitão de estrada estiver muito longe de você e ou sua máquina não for suficiente para alcançá-lo, vá até o penúltimo da fila (ajudante ferrolho) e faça o sinal característico com o seu indicador direcionado para o seu tanque de gasolina e em seguida um sinal de negativo com o polegar, o ferrolho ou ajudante vai ter que se comunicar da mesma forma com o capitão da estrada.

Você está passando mal: Da mesma forma acima, só que sinalize com o indicador para o seu peito e depois o sinal de negativo.

Problemas com sua moto: Da mesma forma acima, só que com a uma mão espalmada em cima do tanque em seguida o sinal de negativo com o polegar.

Parada para urinar: Indicador para a sua barriga e em seguida indicador e polegar aberto (na forma de um revolver) indicando para o chão. Esse sinal deverá ser passado para o ajudante de ferrolho e para o ferrolho, logo após pare com segurança. Os avisados tomarão as seguintes providências: O ferrolho vai avisar o capitão de estrada com o mesmo sinal que por conseqüente este diminuirá a velocidade do grupo, o ajudante passa a ser o ferrolho e quando a moto que parou retornar ao grupo, este vai até o capitão, faz o mesmo sinal e complementa com o sinal de positivo, na qual retornarão a velocidade que era conduzida o grupo.
Indicador para o chão; Significa algum objeto ou buraco na pista, se você não estiver vendo o que é, passe na mesma faixa que a moto da frente passou, repasse o sinal para que todos fiquem atentos.

• Capitão da estrada: Aquele com mais experiência de viagens no momento, conhecedor dos caminhos e estradas a seguir, trabalha constantemente com a visão dos retrovisores, sempre que possível estará contando se todos os integrantes estão na estrada. Deverá ser auxiliado pelo 2º homem, quando solicitado, para verificar se todos estão bem, na dúvida ele deverá parar e verificar pessoalmente. Deverá observar as melhores possibilidades de ultrapassagem e colocação do grupo nas estradas, a faixa de estrada que ele estiver todos deverão segui-lo. Ele, auxiliado pelo ferrolho, determinará com segurança para todos, a velocidade que o grupo vai viajar.

• Ajudante de ferrolho: Este trabalhará constantemente com o ferrolho, ou seja, revezando em posições quando necessário, avisando o capitão de estrada na ocorrência de algum problema e ficando na estrada para auxiliar aquele que parou sem qualquer aviso, enquanto o ferrolho toma as devidas providências.

• Ferrolho ou sargento: Esse cargo é muito complexo e complicado. Exige um motociclista experiente e que tenha uma moto potente para arrancadas bruscas e ágil bastante para andar em meio ao trânsito quando for preciso buscar o capitão de estrada. O ferrolho tem que ter percepção dos momentos críticos, saber o momento certo para abrir (à esquerda) e dar passagem para um veículo em maior velocidade, se possível sinalizar para esse veículo passar com calma, o momento para se bloquear uma estrada para a ultrapassagem segura dos demais da frente, buscar e segurar algum motorista que se colocou no meio do grupo, ou seja , para cada viagem irá encontrar uma dificuldade e terá que ter solução para a melhor proteger o grupo.

3º TEXTO

Organização é importante - Atualmente, viajar em grupo está se tornando mania graças aos inúmeros encontros de motociclistas que acontecem em todas as regiões do Brasil.
Organizar a forma de várias motos seguirem juntas, mas com segurança, é fundamental. Veja algumas dicas para todo mundo curtir melhor a viagem.

Procure manter-se a uma distância segura das outras motos (três metros no mínimo) e sempre dentro do campo de visão do motociclista que vai à frente, evitando ficar exatamente atrás de sua moto.
Em rodovias com três ou mais faixas de tráfego, o grupo de motos deve ocupar a faixa da direita, de maneira a ficar no campo de visão uns dos outros: uma à direita, outra à esquerda, e assim sucessivamente.

Em rodovias de mão dupla ou de duas faixas de rodagem, o grupo de motos deve posicionar-se em fila indiana alternada.
Num grupo muito numeroso, é conveniente separar as motos em subgrupos de cinco motos no máximo. Cada subgrupo poderá ficar distanciado dos demais em até 500 metros.
Nas ultrapassagens, o grupo deve manter seu posicionamento, aguardando que, uma a uma, cada moto realize a manobra com segurança.
Quando dois ou mais motociclistas viajam juntos é interessante usar gestos e sinais padronizados para se comunicarem de maneira rápida e precisa, Cabe ao piloto da primeira moto alertar sobre os obstáculos e indicar o caminho a ser seguido pelos demais. É dele a tarefa mais "complicada", que exige responsabilidade e atenção redobrada.
Com o tempo, os integrantes de um grupo de motos vão se conhecendo melhor e até mesmo um balançar de cabeça poderá ser interpretado como mensagem pelo colega ao lado.

Dez mandamentos para uma boa viagem

1) Faça uma boa revisão mecânica e elétrica na sua moto antes de viajar.
2) Tenha sempre consciência dos seus limites e dos limites da moto.
3) Procure descansar antes de uma viagem.
4) Não exagere na bagagem e arrume-a de forma organizada na moto.
5) Não consuma bebidas alcoólicas antes de sair para viajar e nem durante a viagem.
6) Não prossiga se estiver se sentindo cansado.
7) Faça paradas para descanso, respeitando a sua resistência física.
8) Não se alimente com comida "pesada" durante a viagem.
9) Só viaje a noite se as condições da moto e da estrada permitirem.
10) Evite mostrar que você é "o melhor, o mais rápido, o mais tudo"; durante uma viagem em grupo, seja o mais inteligente.

Para quem ama o asfalto, o sol, a chuva e a noite, e ama tudo isso mais ainda quando está em cima de uma moto, viagens em grupo são uma verdadeira lição de amizade e companheirismo, mas para os viajantes mais novos, que começaram a rodar a pouco tempo, algumas dicas são muito importantes, já que para se rodar num “trem” como são chamados os grupos de motociclistas no asfalto, são necessários alguns cuidados básicos:

Antes de mais nada, identifique os dois motociclistas mais experientes do seu grupo, e respectivamente, um irá a frente do grupo, e o outro fechará o grupo, e é chamado de “drag biker” ou “anjo”, a segurança do grupo inteiro pode depender deles.
O grupo deve ocupar uma pista inteira na rodovia, e o posicionamento das motos deve ser lado a lado, com uma boa distância entre uma e outra moto, esse distanciamento deve ir aumentando de acordo com a velocidade do grupo.
Para se fazer ultrapassagens, o líder deve esperar condições boas o suficiente para que todos consigam ultrapassar juntos, caso não hajam essas condições, o líder deve esperar todo o grupo para continuar.

Lembre-se de respeitar sempre o limite do piloto menos experiente e também da menos moto do seu grupo, afinal, mais do que tudo, ser motociclista é ser companheiro!