domingo, 30 de outubro de 2011

Vida de um estradeiro



De posse do ronco do motor de minha moto

Vou rodando em busca de aventuras

E de novas estradas

Levo saudade no peito

Muitos sonhos...

A lua e as estrelas me fazem companhia

As estradas sinuosas são companheiras fiéis

Amigos encontro pelo caminho

Mais seguir em frente é meu destino

Risadas, choros, alegrias e tristezas

Essa é minha vida e dela sou refém

Sem destino é um prazer

Viver assim sem rumo

Vida de estradeiro, não existe nada que se compare

E eu adoro minha vida