domingo, 30 de outubro de 2011

IRMÃOS DA ESTRADA




Como dizia um irmão, ontem, numa mesa de bar, rodeado de outros irmãos: vamos deixar de lado essas picuinhas e sandices e vamos fazer o que realmente interessa, que é pegar algumas estradas e rever velhos amigos, fazer novas amizades, talvez encontrar outros amores, ah!
Deixemos de nos preocupar com o que dizem e com as vidas de outrem, e nos preocupemos apenas em viver com alegria. E que cada um siga sua estória, sua estrada em paz, fazendo dela o que bem interessar.
Somos rebeldes com ou sem causa, românticos, aventureiros, bobos, amantes, felizes...
Somos apenas mais um na estrada, e ela, como boa amante não tem dono até prova em contrário. Com seus problemas, desníveis, buracos, pedágios, calor, frio, chuva, gente que não respeita e de toda espécie...
Carregamos a bandeira da liberdade, mas não conseguimos respeitar o ponto de vista e a liberdade de uma outra pessoa? Cada um que faça o que bem quiser, mas garanto, me encontre por ai, pelas estradas!!!!
A quem devemos chamar de 'motociclista'? Ultimamente, pelas facilidades dos dias de hoje, qualquer um pode comprar sua motocicleta e sair por ai a andar com a mesma, mas e aí?
Pode-se andar com uma motocicleta como se anda com um carro, caminhão, onibus, trem, bonde ou qualquer outro tipo de transporte para se locomover de um lado para o outro.
O que faz um motociclista ser diferente de outro motociclista?
Chego a conclusão que este questionamento é igual a que diz "de onde viemos, por que estamos aqui e para onde vamos"
Como somos todos diferentes uns dos outros, cada um pode chegar a uma conclusão diferente, e esta ai a beleza, porque podemos passar noites inteiras junto dos amigos e conversar sem chegar a conclusão nenhuma.
Nos idos de qualquer tempo, dei inicio a minha caminhada com uma ttzinha e não sei qual será a minha última montaria, mas sei que entre a primeira e a derradeira viverei bons e maus momentos, creio que serão mais bons do que maus, e por isso tenho grandes lembranças de tudo que vivi, e de tudo e todos que por minha vida passaram, e os que ainda viverei para ver acontecer.
Grandes amigos, outros nem tanto, caras chatos e ranzinzas, gente feliz e de bem com a vida, eternos amores que nem foram tão eternos assim, paixões, estradas, ah! estradas, muitas vezes sozinho por ai a procura de algo que espero nunca encontrar! pois não quero chegar ao fim da procura, e sim permanecer na busca, tal qual a do santo graal.
Me perdoem, mas minha motocicleta não é um meio de transporte ou seja lá o que chamem, ainda não descobri pra que ela serve ou o que ela é e significa para mim.
Sei que ela deveria vir com um motor tipo motocontinuo que rodasse eternamente, para que eu não parasse nem em postos para abastecer, e que quando eu me fosse dessa para melhor, talvez!? a levasse junto comigo, a rodar pelas estradas do Valhala junto de mim e de tantos que lá estão a minha espera e de quem sinto tantas saudades...
Quem diria, eu, olhando para trás, para toda uma vida, fico boquiaberto de tantas coisas que já fiz em cima da minha pequena, quantas vezes a xinguei, por perder um caminho, de me deixar na mão, por me derrubar... ah! e teve, também, as vezes que a acariciei e chorei sozinho em cima dela, lembrando das grandes alegrias, dos amigos e irmãos que me acompanhavam e hoje me esperam do outro lado. Quantos tapinhas de amor já dei nela, dizendo para que não se preocupasse, que a bunda também doía, mas logo teríamos um lugar para pousar e alimentar o corpo e o espírito.
Como diria outro irmão: "se não sabe, vai ter que aprender" quando a gente saia sem rumo e sem condição!
Quantas loucuras, perigos, tombos, besteiras fizemos juntos?
A minha motocicleta é muito mais que um meio de se locomover de um ponto a outro!!!!!
Por isso o cara que ama estar por aí, em cima de sua pequena, nunca voce verá com a 'cara amarrada', carrancudo, percebe? ele vai estar sempre com um sorriso no rosto, uma mão estendida, uma palavra amiga e certa nas horas certas... com muita vontade de sentar e escutar, contar suas façanhas, tomar umas cervejinhas, hoje já não muitas, pois a idade já não deixa fazer tanta besteira!
E aí? o que te leva a ser um de nós?

Dedico estas palavras a quem já sentiu a brisa no rosto a uns bons kms numa estrada!
Que a estrada seja longa e prazerosa!