domingo, 30 de outubro de 2011



Do negro asfalto o calor emana,
cruzam potentes motores roncando,
pilotos firmes, em fila indiana,
nossa aventura esta começando
Admirar a intervenção divina
numa montanha, ladeira ou rio
no horizonte a linha cristalina
é só o início desse desafio
Longas estradas sob o céu azul
esntrelaçadas em linhas brilhantes,
os ventos frescos do norte e do sul
são companheiros desses viajantes
Mas de repente o céu escurece
e aproveitamos o cair da chuva
um temporal nunca nos entristece
estamos sempre de jaqueta e luvas
Parar um pouco se faz necessário
para relaxar e esfriar os motores
damos vazão ao nosso imaginário
mirando os campos, as aves e flores
Enfim, chegamos, felizes da vida;
rir, descansar, recordar a jornada;
não tarda muito e alguém da a partida,
fila indiana outra vez na estrada
Já descansados das aceleradas,
chegando em casa eu tive um palpite:
"Para os amantes de moto e estradas,
talvez o mundo não tenha limites..."